PARCEIROS APOIADORES

Vítima de Livramento denuncia esquema de venda de bebê no Estado


A Polícia Civil, por meio da 12ª Delegacia Regional de Polícia do Interior (12ª DPRI) de Sant'Ana do Livramento, realizou na manhã desta quarta-feira (04), em Novo Hamburgo e Balneário Pinhal, a prisão de três pessoas (duas mulheres e um homem) pela prática de crime de promessa de entrega de filho a terceiro mediante pagamento, estelionato e associação criminosa.

Segundo a delegada Ana Luiza Tarouco, a mãe da criança e intermediários estavam associados para tentar lucrar com a venda do bebê para adoção. Outro homem já tinha sido preso no final de setembro por participar do esquema.

Texto G1/RS Segundo a delegada Ana Tarouco, a negociação foi descoberta após uma vítima de Sant'Ana do Livramento, na Fronteira com Uruguai, discordar do pagamento de R$ 100 mil por uma criança. "Ela disse que não iria pagar porque era um crime." Uma mulher de 44 anos, considerada líder do grupo criminoso, conheceu a jovem do interior do estado pela internet quando ela relatou que queria adotar uma criança. "Elas começaram a conversar e a intermediária disse que conhecia várias mães, que não tinham condições de criar as crianças. Disse que tinha uma criança que nascia em janeiro. Inicialmente, não havia referência a valores", salienta a delegada. A mulher se apresentava como assistente social e fez a intermediação entre a mãe, de 19 anos, moradora de Canoas, que não teria condições de ficar com seu filho por motivos financeiros, e a mulher interessada em adotar. A mulher de Sant'Ana do Livramento chegou a viajar para Canoas pouco antes de o bebê nascer. Com a negativa o pagamento na negociação, a mãe biológica sugeriu baixar o valor para R$ 6 mil, o que também não foi aceito. A vítima passou a desconfiar do esquema ainda antes do nascimento, ao analisar a documentação do pré-natal, na qual constava o nome da intermediária. Segundo a delegada, a mulher se passava por outra pessoa para facilitar a futura doação da criança. Após o nascimento, o menino foi registrado com o nome do marido da intermediária. De acordo com a delegada, o grupo era organizado. Encaminhava à vítima, inclusive, ecografia e documentação, como o registro do bebê. Todos os documentos eram fraudados. "É estranho como, ao longo de processo, ninguém verificou documentação. Uma tem 19 anos e outra 44 anos", observa a delegada. O outro homem preso é namorado da gestante e foi detido pela Brigada Militar em 29 de setembro também por participar do esquema.

A delegada suspeita que tenham ocorrido outros casos de negociação de crianças. A investigação começou no fim de 2015.

Os quatro vão responder por estelionato, associação criminosa e ainda por "prometer ou efetivar a entrega de filho ou pupilo a terceiro, mediante paga ou recompensa", segundo o artigo 238 do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

Fonte: G1/RS e Polícia Civil/RS

Jorge Flores Paines 
Jornalista DRT-15097

Radialista DRT-5765

Quer Anunciar?

WhatsApp(55)98415-2150

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now