PARCEIROS APOIADORES

Justiça determina que PM acusado de matar integrante do MST irá cumprir pena de 12 anos

Os Magistrados integrantes da 1ª Câmara Criminal do TJRS decidiram na tarde de quarta-feira, 26/9, que o policial militar Alexandre Curto dos Santos, agora aposentado, deve começar a cumprir a pena de 12 anos de reclusão a qual foi condenado pelo Tribunal do Júri há um ano.

A apelação do réu foi negada por unanimidade. O relator do Acórdão, Juiz de Direito convocado Mauro Borba, além de determinar a imediata prisão do réu, decidiu enviar ao Procurador-Geral de Justiça uma cópia do relatório apresentado pelo Advogado da família da vítima, onde haveria indícios de violação de direitos humanos durante a ação da Brigada Militar. "As práticas, se verdadeiras, não podem ser admitidas", declarou o magistrado ao se referir ao relatório elaborado pelo Procurador do Estado Carlos César D´Elia, que na época do fato pertencia à Comissão Estadual contra Tortura e pela Advogada Patrícia Lucy Machado Couto, integrante da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa no mesmo período.

Os Desembargadores Manuel José Martinez Lucas e Jayme Weingartner Neto acompanharam o voto do relator.

Caso

Santos foi denunciado por homicídio qualificado (dificultar a defesa da vítima), no dia 21 de agosto de 2009, por volta das 8h, na localidade denominada “Posto Bragança”, Fazenda Southall, situada em São Gabriel. Segundo a denúncia apresentada pelo Ministério Público, o réu teria disparado um tiro de espingarda calibre 12 contra a vítima, Elton Brum da Silva, que estava de costas para o confronto entre a Brigada Militar e ocupantes da fazenda, que seriam ligados ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST).

A peça acusatória relata que, dado o risco de confusão na reintegração, o comando da BM teria recomendado aos policiais prudência e o uso de munição não-letal. O disparo fatal, no entanto, foi efetuado com munição letal.

Durante a fase de instrução do processo, o réu confirmou a autoria dos disparos, alegando ter agido em legítima defesa, sob estrito cumprimento do dever e que acidentalmente trocou sua arma com a de um colega, que possuía a munição letal.

Indenização A Justiça condenou o estado do Rio Grande do Sul a indenizar a família do sem-terra. Os desembargadores da 9ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul fixaram indenização por danos morais em R$ 140 mil. Do valor, as autoras da ação, a companheira e a filha de Elton, receberão R$ 50 mil cada. Outros R$ 40 mil são para o pai da vítima. O estado deverá pagar ainda uma pensão de um salário mínimo regional à filha de Elton.

Proc. nº 70075521484

(Foto:Ritieli Moura)

Jorge Flores Paines 
Jornalista DRT-15097

Radialista DRT-5765

Quer Anunciar?

WhatsApp(55)98415-2150

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now