PARCEIROS APOIADORES

Pesquisa detecta álcool em quase 40% dos mortos no trânsito do RS


Uma parceria entre o DetranRS e o Instituto-Geral de Perícias (IGP) permitiu ao Rio Grande do Sul chegar a um diagnóstico sobre a influência do álcool em acidentes de trânsito. O cruzamento das informações das vítimas com as perícias realizadas pelo IGP em 2018 detectou que 38,3% dos mortos no trânsito do Estado tinham álcool no sangue. Para os condutores que morreram nas madrugadas de domingo, esse percentual chega a 94,7%. A amostra totalizou 1.047 vítimas, ou 62,7% do total de mortos no período. O acompanhamento passará a ser permanente.

Entre os motoristas mortos em acidentes de trânsito no ano passado, 41,3% tinha algum grau de álcool no sangue. Mas o dado mais surpreendente é a presença de álcool em 45,9% dos pedestres vítimas de acidentes de trânsito em 2018. Também chama a atenção o percentual de ciclistas mortos com álcool no sangue (42,1%), maior que entre os motociclistas (34,4%). Mais da metade dos ciclistas e pedestres que tiveram resultado positivo para álcool morreram em rodovias.

Dia e hora

Os resultados da pesquisa mostraram que os testes positivos para alcoolemia em vítimas de trânsito são maiores durante a madrugada (64,6%) e no turno da noite (48,6%). O álcool também está mais presente nas vítimas que morrem aos domingos (59,7%) e aos sábados (46,7%).

Gênero e faixa etária

De um total de 855 homens que morreram no trânsito em 2018 e que foram testados para alcoolemia, 359 apresentaram resultado positivo (42%). Entre as 192 mulheres mortas em acidentes que foram testadas, 42 tinham bebido (21,9%).

Analisando-se as faixas etárias, os mais jovens e os mais velhos representam os menores percentuais entre as pessoas testadas. Das vítimas com até 24 anos, 36,6% estavam alcoolizados no momento do acidente. Acima de 55, esse percentual foi de 26,9%. Mas entre os mortos das demais faixas etárias, foi encontrada presença de álcool em mais de 40% dos casos: 42,7% de 25 a 34 anos, 44% de 35 a 44, e 47,9% entre 45 a 54 anos.

O resultado da pesquisa confirma estudos científicos internacionais e protocolos de segurança nos quais o governo do Estado se baseou para desenvolver políticas públicas como a Balada Segura e a Viagem Segura, mostrando o acerto na escolha do fator de risco prioritário. “Agora, analisaremos os dados por região, dias e horários onde se concentram os acidentes envolvendo álcool para melhor direcionarmos nossos esforços”, afirma o diretor-geral do DetranRS, Enio Bacci.

A partir do próximo ano, a autarquia irá visitar as regiões do RS Seguro com maiores índices de acidentalidade, e também as cidades com maior número de mortes por 100 mil habitantes para propor soluções. O departamento apresentará dados estatísticos da região, tanto de alcoolemia como pontos críticos, montando um diagnóstico completo para planejar intervenções eficientes.

A Escola Pública de Trânsito, partir dos dados estatísticos, também irá propor intervenções na área de educação para o trânsito. A ideia é que, com esses esforços de estatística, o DetranRS projete e implante soluções de educação e engenharia para melhorar os índices de acidentalidade nessas localidades.

Texto: Mariana Goldmeier Tochetto/Ascom DetranRS Edição: Patrícia Specht/Secom

Jorge Flores Paines 
Jornalista DRT-15097

Radialista DRT-5765

Quer Anunciar?

WhatsApp(55)98415-2150

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now